sábado, 18 de dezembro de 2010

Guardo-te no meu olhar



Guardo-te no meu olhar...nas palavras que afagam o sonho...no meu entardecer...no meu corpo...na sombra do meu caminho.
Toca-me...acorda-me...serena meu rosto inquieto...afaga os meus medos...silencía-me o grito num beijo...faz estremecer o meu corpo no teu abraço...envolve-me nas linhas da tua mão...espalha as cinzas das palavras na noite escura...renasce-ME...mantem-me viva no teu poema...arranca-me do peito as nuvens de Inverno...toca o Infinito comigo quando a tarde morrer...voa comigo na noite...amanhece-ME no teu olhar...no teu sorriso...faz do meu corpo um eterno dia de Verão...despe-me a ausência...dá-me o calor das tuas mãos...aquece-me a solidão...na ponta dos teus dedos cala-me os silêncios numa melodia de amor...beija-me o olhar com a força do Vento...dá-me as cores do arco-iris.
Dorme no meu sonho...voa comigo no cansaço das horas...dá-me o dia...a noite...o tempo...o futuro...palavras de amor...envolve-me na poesia que nasce no teu corpo...enxuga-me as lágrimas tatuadas na alma...abriga-me no teu coração...junto à arvore negra das palavras...envoltas no passado que é presente...ensina-me a ser futuro...desvanece-me as mágoas desenhadas nas sombras...veste-me de destino...de esperança...de desejo...leva-me até ao outro lado do sonho...deixa-me ficar no teu sorriso como se o tempo não existisse...veste-me de ternura...abraça o meu corpo em silêncio...faz-me Primavera.

Sou a vida...que as mãos transformaram em lágrimas
Sou também emoção...ternura...eterna melancolia
Sou noite de temporal...e sou o remanço das águas
Sou a voz amordaçada...sou a tristeza...a alegria

Sou a vastidão da dor...a ternura do teu coração
No meu corpo de Outono...sou a chama que arde
Sou Vento selvagem... perdida num mar de ilusão
Sou a planície...sou vulcão...sou tempestade

Entrego-te a minha alma...a vida...a madrugada
Os meus braços vazios...envoltos em mim
Os meus sonhos...lamento do vento...a alvorada
O meu coração...a esperança...o mar sem fim

Passou por mim...um raio de sol...leve...levemente
Afagou meu rosto...encheu meu peito de ternura
Foi fogo...foi ventania...chegou e foi...docemente
Parei o tempo...voei no infínito...vesti-me de loucura

Sem comentários:

Enviar um comentário